Início do cabeçalho do portal da UFERSA

Engenharia de Petróleo

Projetos do Curso de Engenharia de Petróleo

 

TRATAMENTO DA MATÉRIA ORGÂNICA PROVENIENTE DE DERIVADOS DO PETRÓLEO UTILIZANDO PROCESSOS OXIDATIVOS AVANÇADOS.

Código: PIB00066-2017

E-mail: andrea.barbosa@ufersa.edu.br

Descrição: Essa pesquisa tem como objetivo geral estudar um processo de oxidação avançada como forma de degradação da matéria orgânica utilizando um reator com lâmpada de UV-Visível e avaliar a eficácia do método pelas técnicas de Uv-Visivel, TOG e DQO. O projeto tem como objetivo específico: Uma construção de um reator de matéria orgânica. Será feito um planejamento fatorial, como forma de minimizar a quantidade de amostras e avaliar os principais pontos para coleta dos resíduos para degradação em um reator de UV visível. Analisar a eficiência do tratamento pelos métodos DQO e TOG associadas ao planejamento fatorial 23 como forma da escolha das variáveis envolvidas no reator UV Visivel.

 

ESTUDOS CINÉTICOS E TERMODINÂMICOS DA ADSORÇÃO DO CARVÃO ATIVADO ORIUNDO DE MATÉRIA PRIMAS REGIONAIS

Código: PIB20007-2019

E-mail: andrea.barbosa@ufersa.edu.br

Descrição: Água produzida pode ser descartada em corpos receptores ou ser utilizada na injeção de poços de petróleo, em ambos os casos faz- se necessário um adequado tratamento antes da sua adequada disposição. A Resolução Nº 430/2011 dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes. O carvão ativado é um dos adsorventes de maior uso mundialmente, sendo seu processo de obtenção oriundo da decomposição térmica de inúmeras matérias primas, fibra do coco, madeira, carvão mineral e resíduos diversos. A capacidade de adsorção é decorrente da alta área de superfície, distribuição de poros conferindo alta capacidade de remoção de inúmeros contaminantes. O presente estudo tem como objetivo a produção do carvão ativado oriundo das frações epicarpo e endocarpo de frutos regionais, visando sua aplicação para remoção da água produzida sintética.

 

DESENVOLVIMENTO DE NOVOS LUBRIFICANTES PARA FLUIDOS DE PERFURAÇÃO ORIUNDOS DO GLICEROL OBTIDO DE ÓLEOS RESIDUAIS

E-MAIL: rodrigo.santiago@ufersa.edu.br

 Descrição: O projeto consiste na substituição de n-parafina utilizados em fluidos de perfuração não aquosos por glicerina obtida a partir de produção do biodiesel.

 

AVALIAÇÃO DO POTENCIAL USO DA GLICERINA COMO BASE PARA FORMULAÇÃO DE FLUIDOS DE PERFURAÇÃO AQUOSOS PARA POÇOS DE PETRÓLEO

E-MAIL: keilaregina@ufersa.edu.br

 DESCRIÇÃO: O objetivo geral deste projeto é avaliar o potencial da glicerina bruta (proveniente da produção de biodiesel) como base, em diferentes proporções água/glicerina e aditivos padrões incorporados à formulação, para desenvolver um fluido de perfuração aquoso que tenha a eficiência técnica dos fluidos sintéticos (parâmetros reológicos e de filtração, capacidade de inibição de inchamento de argilas expansivas), contribuindo para o desenvolvimento de um produto que tenha um aspecto inovador e sustentável.

 

UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS ALTERNATIVOS NO TRATAMENTO DE EFLUENTES ORIUNDOS DE CAMPOS DE PETRÓLEO

 E-MAIL: keilaregina@ufersa.edu.br

 DESCRIÇÃO:O objetivo desse projeto visa otimizar o processo de remoção de contaminantes presentes nos efluentes oriundos de campos de petróleo, utilizando materiais alternativos como material adsorvente e sua possível aplicação industrial. Construir isotermas de adsorção dos contaminantes utilizando os materiais adsorventes– Uso de curvas de calibração. Avaliar a influência da força iônica, temperatura, pH, concentração e granulometria dos materiais adsorventes, além da radiação UV no processo de adsorção dos contaminantes nessa superfície. Otimizar o processo de remoção de contaminantes através da utilização de modelagem fatorial (Statistica 7.0), levando em consideração a interação das variáveis de processo.

 

UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS ADSORVENTES DE BAIXO CUSTO NO TRATAMENTO DE ÁGUA PRODUZIDA EM CAMPOS DE PETRÓLEO DO RIO GRANDE DO NORTE

E-MAIL: regina.brasil@ufersa.edu.br

CÓDIGO: PIB00068-2017

DESCRIÇÃO: A grande quantidade de água produzida em campos maduros de petróleo, gerada ao longo da vida produtiva de um campo, representa a maior corrente de resíduo na produção de óleo cru, e esse fato vem chamando atenção de pesquisadores em todo o mundo. A água produzida é trazida a superfície juntamente com petróleo e gás, possuindo grandes quantidades de contaminantes tóxicos e por isso, os tratamentos aplicados elevam os custos para gestão dessa água. Atualmente são três as opções que dão um destino final a água produzida em campos de petróleo: injeção, descarte e reuso. Para todas essas alternativas é necessário fazer um tratamento específico com objetivo de atender as exigências ambientais e operacionais. Os tratamentos dados à água produzida são feitos com objetivo de atender exigências estabelecidas pelo Conselho Nacional do Meio Ambiente – CONAMA, para que possa ter seu destino final definido. Os principais tratamentos básicos que a água produzida pode passar são remoção de óleo residual, remoção de gases, remoção de sólidos suspensos e eliminação de bactérias, a forma do tratamento depende de algumas observações que devem ser levadas em consideração como viabilidade técnica, custos, infraestrutura, equipamentos podendo variar conforme a finalidade da água e a legislação prevista pelo CONAMA. Entre os diversos tratamentos aplicados a água produzida a adsorção tem sido bastante usada nos últimos tempos principalmente devido à utilização de adsorventes naturais bem como, pela eficiência que vem apresentado nos tratamentos de efluentes contaminados por óleos, metais pesados e outras substâncias tóxicas. Vários tipos de adsorventes estão sendo utilizados atualmente em tratamentos de efluentes como também sendo estudados, entre os quais carvão ativado, zeólitas, sílica gel, alumina ativada, porém, diversos tipos de adsorventes naturais oriundos de subprodutos industriais e da agricultura necessitam ser estudados, visando tornar esse tipo de técnica mais barata. Portanto, este trabalho tem como objetivo realizar uma avaliação do tratamento da água produzida aplicando a técnica de adsorção de óleos e graxas, presentes na água, utilizando materiais adsorventes de baixo custo, visando verificar a eficácia dos mesmos no processo de remoção de hidrocarbonetos da água. A partir dessa análise, propor um sistema capaz de recuperar e reutilizar a água produzida que seria descartada, buscando fins mais nobres para este efluente.

 

DESEMPENHO DE GOTEJADORES E PRODUÇÃO DE GIRASSOL E PALMA FORRAGEIRA COM ÁGUA PRODUZIDA DO PETRÓLEO

E-MAIL: rodrigo.santiago@ufersa.edu.br

 DESCRIÇÃO:O presente trabalho tem por objetivo geral estudar os efeitos da água produzida, gerada na extração do petróleo, no desempenho de gotejadores e na produção do girassol e da palma forrageira no semiárido brasileiro. Como objetivos específicos apresentam-se: – Obter os fatores físicos, químicos e microbiológicos ocasionadores de entupimento de gotejadores que operam com água produzida; – Determinar os indicadores de desempenho hidráulico que quantifiquem os níveis de obstrução dos gotejadores abastecidos com água produzida; – Selecionar o tipo de gotejador mais adequado para aplicação da água produzida, com base na resistência a obstrução; – Verificar os efeitos da água produzida nas características produtivas e biométricas do girassol e da palma forrageira; – Analisar os efeitos da água produzida na alteração de características físico-químicas do solo; – Determinar a capacidade de fito extração de metais pesados do girassol e da palma forrageira; e – Recomendar o nível de diluição da água produzida mais adequado para o cultivo do girassol e da palma forrageira.

 

ESTUDOS DA MELHORIA DA PRODUÇÃO DE ÓLEOS PESADOS UTILIZANDO INJEÇÃO DE VAPOR EM CAMPOS DA REGIÃO DA BACIA POTIGUAR

Responsável: Antônio Robson Gurgel

E-MAIL: robsongurgel@ufersa.edu.br

DESCRIÇÃO: Com o surgimento de tecnologias promissoras para recuperação de reservas de hidrocarbonetos objetivando a melhoria da recuperação final de óleo associadas a projetos econômicos em execução, observou-se crescentes incentivos à pesquisa durante décadas com a finalidade de se obter novas técnicas de extração de óleo pesado. Segundo Barbosa (2013), o Estado do Rio Grande do Norte se destaca por possuir boa parte da produção de petróleo concentrada em terra. Além disso, a produção dessa região é caracterizada pela existência de muitos campos de óleo maduros, dentre os quais os que possuem óleo com elevada viscosidade. Para a produção destes campos, é necessária a adoção de métodos de recuperação que correspondam às características físico-químicas presentes dos óleos encontrados nesse estado (ARAÚJO, 2012). Para melhorar a produção de óleos pesados, pode-se recorrer à utilização dos métodos térmicos que fazem parte dos denominados Métodos de Recuperação Melhorada de Petróleo (EOR-Enhanced Oil Recovery). Segundo Green e Willhite (2018), os métodos térmicos se constituem em avançados processos de recuperação melhorada de petróleo e contribuem para a produção de quantidades significativas de óleo. Neste contexto, esta pesquisa pretende, através de estudos de injeção de vapor em campos de óleo pesado na Região da Bacia Potiguar utilizando simulações numéricas de escoamento multifásico em meios porosos, realizar estudos de melhorias no volume de óleo produzido e no Fator de Recuperação através da injeção de vapor como método de recuperação avançada de petróleo.

 

ESTUDO DE MELHORIA DO FATOR DE RECUPERAÇÃO EM CAMPOS DE PETRÓLEO ATRAVÉS DO USO DE MÉTODOS DE RECUPERAÇÃO MELHORADA

Responsável: Antônio Robson Gurgel

E-MAIL: robsongurgel@ufersa.edu.br

DESCRIÇÃO: Este trabalho compreende um estudo de melhorias no Fator de Recuperação de petróleo através da simulação numérica de recuperação de petróleo através da injeção de fluidos, bem como do desenvolvimento de ensaios experimentais utilizando recuperação melhorada de petróleo em campos com características de rocha-fluido semelhantes aos encontrados no Estado de Rio Grande do Norte. Com o desenvolvimento da pesquisa, espera-se obter resultados que indiquem melhorias na produção final de petróleo, além de contribuir com a capacitação dos estudantes e professores envolvidos na temática da recuperação melhorada de hidrocarbonetos na região do semiárido potiguar.

 

 

Análise de indicadores econômicos para projetos de reservatórios convencionais e não-convencionai

CÓDIGO: PIB20022-2019

E-MAIL: jardel.dantas@ufersa.edu.br

DESCRIÇÃO:O valor presente líquido (VPL) e a taxa de retorno (TIR) são os principais indicadores econômicos na avaliação econômica de projetos petrolíferos. A avaliação de projetos no segmento E&P decorre do alto risco envolvido nas atividades de exploração, alto custo nos investimentos e o tempo das atividades. A maximização da curvas VPL decorre de inúmeras modificações nos parâmetros: posicionamento de poços injetores e produtores, zonas completadas, vazão produzida, injeção de fluidos, cronograma das atividades de perfuração, volume de hidrocarbonetos, localização do campo em terra (on-shore) e em mar (off-shore), preço do barril e grau oAPI. Os reservatórios não convencionais apresentam porosidade, abaixo de 1 mD, onde o fator de recuperação situa-se em torno de 10% sendo necessário estimulação por meio de fraturamento hidráulico. Mundialmente reservatórios não convencionais são encontrados: arenitos gaseíferos (tight gas sandstones), óleo de folhelho (shale oil), reservatórios fraturados (fractured reservoirs), gás de carvão (coalbed methane) e folhelho betuminoso (oil shale). Os reservatórios convencionais quando comparados aos reservatórios não convencionais os mesmos apresentam porosidade superior a 100 mD e fatores de recuperação superiores. As principais diferenças entre os reservatórios convencionais e não-convencionais são: volume de hidrocarbonetos, investimentos iniciais, produtividade, estimulação, risco geológico e o risco econômico. O presente trabalho visa análise de indicadores econômicos adotando os cenários para o preço do barril: pessimista, realista e pessimista para reservatórios convencionais e não-convencionais.

 

Aplicação de Extratos de Plantas do Semiárido como inibidores de Corrosão para Industria do Petróleo

E-MAIL: jardel.dantas@ufersa.edu.br

CÓDIGO: PIB20006-2018

DESCRIÇÃO: Os processos de natureza corrosiva ocorrem frequentemente na indústria em todos os estágios da cadeia produtiva nas instalações de processamento. A diversidade dos mecanismos de corrosão e a escolha do tratamento adequado é dificultada em virtude da composição do fluido produzido que apresenta como agentes corrosivos: salinidade, meio, tipo do metal, presença de hidrocarbonetos, presença do sulfeto de hidrogênio, bactérias, dióxido de carbono e particulados. Tomando como base os estudos recentes sobre os custos de corrosão temos uma faixa de valores que independe da quantidade de recursos gasta no estudo, desde os estudos mais formalizados e extensos até os menos formais e modestos todos apresentam padrões entre 1 a 5% do PIB do país como custo por corrosão.Inúmeras formas existem no combate da corrosão as quais podemos citar: o emprego de materiais mais resistentes, adequar o meio corrosivo, emprego de pinturas industriais e uso dos inibidores de corrosão. A última forma existe dada a existência de um meio propicio a dispersão da solução promovendo uma alteração na interface de adsorção da superfície. Os inibidores de corrosão são substâncias químicas ou misturas que quando em solução promovem a redução do processo corrosivo. Estes mesmo são classificados quanto a sua composição, natureza química (Cunha, 2017). Os inibidores comerciais apresentam alta toxicidade promovendo entre outros efeitos secundários como: ataque a ligas não ferrosas, solubilidade parcial com o meio e intoxicação dos funcionários. Nos últimos anos o emprego dos inibidores da linha “Verde” ou baixa toxicidade tem se tornado fonte de pesquisa no mundo, inúmeras fontes estão sendo empregadas com eficiência de inibição da ordem de 90%.

22 de setembro de 2014. Visualizações: 1045. Última modificação: 01/06/2020 16:47:22